segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Para Priscila Medeiros

Esse post é única e exlusivamente pra minha querida amiga e afilhada de casamento Priscila Medeiros que teve a coragem de reclamar hoje que eu não fiz ainda nem um post sobre minha estada aqui na home sweet.

Vontade eu tive, mas também tive preguiça. Vou falar a verdade que não tem sido aquelas coisas porque só de estar em casa de ir ali ver os amigos já é o suficiente. O que que eu fiz de bom?

- Peguei metrô cheio, lotado, suado e caro;
- Fui ali na casa&video fiquei 3 horas na fila pra comprar um presentinho
- Quase morri no transito louco na Tijuca
- Fui ali no Barra Shopping comer um hamburguer (uma coisa que não tem nos EUA né)
- Fui no extra 24 horas na Barra meia noite do dia 23/24 e parecia que era uma manhã de sabado qualquer (gente coisa que eu nunca vi na minha vida, supermercado lotado meia noite)
- Comemorei meu aniversário três vezes (muito obrigada a todos, inclusive o bolo da Julia e o bolo da mãe da Lala barraram o bolo da art pão, falei.)
- Teve a ceia de natal aqui em casa, o peru e o meu bolo de aniversário da art pão disputando a atenção na mesa. meus parentes todos aqui, churrasquinho, as crianças correndo pra cima e pra baixo.
- Respondi 371 vezes a pergunta "E ai, como é que foi lá?"
- Noivei minha irmã que já tava mais que na hora vamos concordar.
- Frustrei de ir na praia porque chuveu o tempo todo, mas tudo bem pois...
- Estou indo pra Buzios amanhã a noite entrar 2009 bem.
- Vi especial Roberto Carlos e especial Xuxa (só um pedacinho, que isso já é demais)
- Já engordei tudo que já tinha emagrecido
- Matei minha vontade de comer todas as besteiras brasileiras que eu não como lá
- Vou amanhã na Uruguaiana comprar mais besteiras pra eu levar
- Fui ali na casa da minha ilustre amiga Priscila com minha querida amiga Érika fofocar a tarde toda comendo pipoca com calda de chocolate... velhos tempos.......
- E morri de saudade do meu baby!

É isso. Tá bom Priscila?

domingo, 21 de dezembro de 2008

Home sweet

Hoje faz cinco meses que eu cheguei na terra do tio sam, acho que muitos diriam que é um full circle (circulo completo) o fato de eu retornar ao lar doce exatamente nesse dia.

Sai da Califa ontem, viagei o dia inteiro e cheguei demanhã cedo. Não dormi um pingo até agora e sinceramente e surpreendentemente nem to com sono. Foi muito tenso pra mim me despedir da Baby C, eu ficava o tempo todo me dizendo "só duas semanas, só duas semanas, pra que o drama?" mas eu sei que no fundo no fundo todas as lágrimas derramadas cada vez que eu via a carinha dela olhando pra mim com aquelas bochechas de buldogue (com todo amor que eu digo isso) não eram porque eu estava indo passar duas semanas longe dela, mas porque eu sei que um dia eu vou me despedir e não vai ser só por duas semanas =(

Durante toda a viagem eu não acreditava que eu estava indo pra casa. Surreal é pouco pra descrever. Confesso que ao ver o Complexo da Maré se aproximar enquanto o avião aterrisava eu senti muita vontade de chorar. Esse negócio de ser au pair deixa a gente muito sensivel.

Impressionante, assim que eu cheguei em casa parecia que a minha vida lá não aconteceu. Eu abri a porta do meu ex guarda roupra pra pegar uma roupa pra tomar banho, atendi o telefone assim que ele tocou como eu sempre fazia, deitei no sofá liguei a TV e coloquei no canal 41 como sempre, sempre fazias. Old habits die hard? (velhos hábitos não se quebram facilmente)

Mas é fato que "you can never go home again" "você nunca mais volta pra casa" já que a pessoa que você era quando saiu não é mais a que volto e portanto o olhos com os quais você vê tudo que lhe é tão familiar encherga outras coisas e compara com outras coisas. Tudo parece tão pequeno.

É bom estar na home sweet (doce lar) mesmo que de vez em quando eu me pegue fazendo algo que eu sempre fazia antes e me era totalmente natural e agora parece surreal.

[perdoem me todos os erros e falta de sentido, o sono ta batendo forte, eu to jetleg e não tenho noção de quanto horas eu estou sem dormir]

sábado, 13 de dezembro de 2008

Christmas? (Natal?)

Então né o Natal é semana que vem já. Gente a essa hora eu no Brasil tava arrancando-me os cabelos. Todos os shoppings lotados, decoração de Natal em todas as lojas, todas as casas e predios com luzinhas. Aqui, sinceramente a ficha não caiu. Não to acreditando que é Natal semana que vem. Não tem uma luz nessa casa, uma árvore de Natal, um enfeite. Nas ruas uma casa ou outra tem luzinha, tudo bem que nas lojas naum para de tocar musica de Natal (ai coisa que eu mais odeio) mas de resto nem parece. Não estou sentindo o espirito natalino. Deve ser a crise.

Videozin pra esclarecer pra algumas pessoas a dificuldade de andar a pé aqui onde eu moro. Quando eu falo que não dá nem pra pegar um ônibus ninguém acredita.





FAQ

1- Você ta indo pro Brasil? Vai voltar?
Sim estou indo pro Brasil e sim vou voltar pra cá.

2- Porque você não tirou foto com o boneco de neve?
Eu tirei, mas a cabeçuda aqui esqueceu a camera em casa e tirou as fotos na camera da Aline e ela ainda não me passou as fotos.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Lake Tahoe unbelievable (inacreditavel)

Fui ali rapidinho em South Lake Tahoe (há 1.901m de altitude, mais ou menos 4h de carro da minha home sweet) ser deslumbrada por uma das vistas mais lindas e inacreditáveis da minha vida. Inacreditáveis mesmo. Pra quem desconhece, Lake Tahoe (ou Lago Tahoe) é o único lugar na California onde neva (sim, na Califa neva. tudo bem que o lugar fica bem na divisa entre a Califa e Nevada mas neva sim senhor.) e quando eu digo que a vista é inacreditavel eu naum estou falando da neve (a qual eu nunca havia vista antes em mi vida).

Fomos eu, Aline e o P (namorado da Aline, é assim q ela chama ele mesmo) e mais alguns amigos dela (grata pelo convite amiga, esquecerei jamais), nós 3 no meu carro e os outros num outro. Eu dirigindo (perigo constante meixmo) e subindo a serra viramos uma curva e avistamos o lago lá longe, água mais azul eu nunca vi (e eu sou carioca filha de nordestino heim, já vi muita paisagem bonita nessa vida). Quanto mais perto chegavamos mais bonito ficava. Gente, coisa de louco, muito lindo.





Depois subimos mais um pouco e fomos a Emerald View. Medinho mór na subida que era (visualiza,da esquerda pra direita) penhasco, estrada, penhasco. Mas quando chegamos lá em cima, eu com duas blusas, dois casacos, cachecol e luva perdi o folego e naum foi por causa do frio. Montanhas imensas com nevinha no topo ao redor de um lago tão grande que você perdia de vista, água azul cobalto que parecia pintado no photoshop. Juro por deus que eu fiquei lá em cima me perguntando meu deus, eu to aqui mesmo?





No dia seguinte fomos de teleférico até o topo (muito, muito alto) da montanha pra que eu pudesse ver a neve. Vi, toquei, quase levei bolada, comi (pois é) fiz "mini boneco de neve", tudo que tinha direito. Vou dizer que neve é igual aquele gelinho que formava no teto do congelador daquelas geladeiras antigas (que eu raspava e comia no verão enlouquecedor do RJ quando eu era criança).





Foi de longe a melhor viagem de todas. Peguei mais uma vez a listinha de coisas que sempre quis ver na minha vida e risquei mais uma coisa: check!

Carlinha, Aline e P no carro presos no engarrafamento voltando pra casa.
P: Olha gente tem um cachorro no carro aqui do lado.
Aline: Olha é mesmo que bonitinho, olha Carla
Carlinha: Gente, é mesmo, que fofo.
Aline: Gente, ele tá até de sinto.
P: (as gargalhadas) Não é cachorro, é uma senhora!!!

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Thanksgiving...

Independente da história por trás do Thanksgiving (ação de graças) eu gosto da idéia de ter um dia só pra ser grato, por toda e qualquer coisa. Estando longe de casa a gente olha diferente pras coisas e se torna grato por cada pequena coisa na sua vida. Eu sei que depois do amor o sentimento de gratidão é um dos melhores pra se ter no coração. Então esquece os problemas, olha em volta e cata alguma coisa pra agradecer a deus (ou a seja lá o que for que você acredite).

Eu sou grata por:

ter saúde, não só eu como todos que eu amo
pela minha família
pelos meus amigos (todos, novos, velhos, constantes, esquecidos, distantes, próximos)
por estar aqui e tudo que isso tem acarretado
pelo melhor host do mundo
pelo melhor bebê do mundo
pela melhor amiga au pair do mundo
pelo peru de chocolate que a grammie trouxe
pelo aquecedor no meu quarto
pela California, lugar onde o sol brilha e as frutas são frescas e as pessoas gentis e educadas
pelo café moído na hora de todas as manhãs
pelo "lepitopi" emprestado do host e toda a tecnologia que diminui as distancias
pelo iPod touch e suas distrações
pela minha recem chegada carteira de motorista da California
pelo carro automático
pela comida italiana da host
por ser tratada como membro da familia
por poder passar o Natal no Brasil!!!
pelas arvores "outoninas"
pelos sonhos (realizados e a se realizar)
pela vida!



O pão de queijo que apesar do formato deu certo e ficou muito bom!


O peru de verdade já sendo devorado


O peru de chocolate

domingo, 23 de novembro de 2008

I'm from... (Eu sou de...)

Ouvi durante o treinamento (pelo qual todas as au pairs passam quando chegam aqui nos states) da boca de uma das "treinadoras"(?) que os EUA é um país de imigrantes. Pensei, interessante, o Brasil também é um país de imigrantes. Mas por algum motivo eu olho a minha volta e apesar de realmente ver gente do mundo inteiro eu não conseguia enchergar essa semelhança.

A grande diferença é, ambos países foram formados por imigrantes mas o Brasil é um país mestiço e o EUA não.

Aqui você realmente vê gente de todo lugar o tempo todo. É mais comum ver pessoas falando com sotaque do que não (aqui na California é mais comum ver as pessoas falarem espanhol do que inglês). Mas aqui não tem a mistura.

É muito comum quando você conhece alguém ouvir a pessoa ser apresentada assim: "Hi, esse é o Fulano ele é [insira uma nacionalidade qualquer aqui]". As pessoas são comumente definidas por sua decendencia e vejo muitas pessoas se orgulharem de fazer tal distinção. O que também é muito comum é a pessoa dizer que é de X nacionalidade mesmo tendo nascido aqui dos EUA o que é bem confuso pra mim. No Brasil, nasceu lá é brasileiro certo? Você pode se dizer descendente de "seja lá o que for" mas você é brasileiro, de cabelo duro, olhos puxados e azuis, e pele cor de jambo que seja. Aqui eu nunca sei se a pessoa nasceu mesmo aqui e só os pais dela são Indianos ou Japoneses ou whatever (seja lá o que for) ou se ela é realmente imigrante que veio pra cá quando crinça e não tem sotaque.

O que eu quero dizer com isso é que é interessante como as pessoas tem o prazer de se distinguirem aqui pela sua nacionalidade. O verdadeiro americano não existe. Ele é na verdade Asiatico, Italiano, Alemão... Até hoje não ouvi ninguém dizer "I'm American" mas já ouvi incontaveis "I'm Indian", "I'm German", "I'm Asian", "I'm African-American"(I'm = Eu sou) mesmo que todos tenho nascido aqui na terra do Tio Sam.

No Brasil todo mundo já saiu se misturando e não tavam nem ai. Aqui ainda tem gente que não namora quem não seja da mesma descendencia. É japones com japones, europeu com europeu, africano com africano, latino com latino e dai vai. Mas é claro que a nova geração esta surgindo e talvez daqui há algumas gerações o EUA vai ser como o Brasil, um mix de raças impossivel de se distinguir. Eu particularmente acho isso lindo.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

I, lost (Eu, perdida)


Um dos motivos pelo qual eu decidi ser au pair foi o crescimento pessoal (de verdade). Eu já posso dizer que uma coisa eu descobri sobre mim nessa viagem: eu não possuo senso nenhum de direção. Gente, não teve uma única vez que eu sai sozinha de carro sem me perder. E não vou mencionar todas as vezes que eu fiz seja lá quem for que estivesse dirigindo se perder.

Gente eu juro que eu não sei o que acontece, parece que eu fico cega. Pode ser o caminho que eu já fiz mil vezes, eu vou me perder é certo. Eu posso até saber o caminho na minha cabeça mas quando entro no carro alguma força poderosa toma conta de mim e me faz virar uma curva antes ou não virar.

Ai você me diz, que bom que seu carro tem GPS.

É ahan.

O problema é que a moça que mora dentro do GPS é meio lenta e só me diz onde eu tenho que virar na curva, ou quando eu já estou passando por ela. Ontem ela me fez entrar num complexo de apartamentos e continuava falando pra eu virar esquerda, direita em não sei quantas milhas dentro do estacionamento!!!

Tudo bem que as vezes ela me ajuda, mas já me meteu em cada buraco. Ainda bem que aqui não é o Rio, porque se fosse o carro do host já tinha ido pras cucuias.

Semana passada fui buscar a Aline pela quinta vez. Pensei, dessa vez eu consigo ir sem o GPS. O lugar a dez minutos daqui eu levei mais de meia hora pra chegar lá. Deus abençoe a Aline, ela tem muita paciencia comigo.

Ah, e eu não falei ainda sobre a minha maior descoberta, eu não sei diferenciar direita de esquerda. Na verdade eu nunca soube, mas só agora que eu fui perceber. O host dizia direita, eu virava pra esquerda e ele ficava rindo, falando "Sua outra direita". Foi um choque pra mim.

Estou começando a aprender, ainda erro algumas vezes mas sempre rio depois, o que é muito importante. Um dia eu chego lá. Afinal, evolução é a ideia. Se eu volta pro Brasil já sabendo que lado é o direito e que lado é o esquerdo já vou estar no lucro.

sábado, 8 de novembro de 2008

Impressions (impressões)

Estava lendo o blog da Gaby e vi um post muito interessante com um e-mail que a irmã dela (au pair em Long Island há mais de três anos) mandou pra ela logo depois que chegou aqui nos EUA. No post a Gaby colocou as impressões da irmã e fez seus proprios comentarios os quais eu achei muito interessante mas vi que algumas coisas são um pouco diferentes aqui da Califa então queria respostar os post dela com as minhas impressões californianas. Porém, quero deixar bem claro são minhas impressões baseadas nas minhas experiencias jamais generalizando. Tenho horror a generalizações, horror.

Bem vai ai os comentários da irmã da Gaby e os meus em italico.
* Carteira de motorista tira-se com 16 anos (isso acho que todo mundo sabe né)
* Nao pode beber alcool na rua (tb naum pode carregar alcool no carro, só no porta-malas)
* Abelha gigante eh chamada Bumble bee (nunca vi nenhuma)
* Policia por toda parte (e eu neurotica quando estou no carro olhando pra td q é lugar pra ver se a policia ta vindo)
* Virar a direita no sinal vermelho eh permitido (e eu nunca vou me acostumar com isso)
* Casas e carros dormem abertos (nem tanto, mas tem gente q deixa o carro aberto sim, hoje minha mãe perguntou se meu carro tem filme, naum tem isso aqui naum, só em carro de celebridade)
* Balada sempre acaba cedo...(2:00am, 1:45 já tão acendendo as luzes e mandando o povo ir embora - a velha aqui acha ótimo)
* Nao ha frentista no posto de gasolina em muitas cidades, ou seja, vc mesma coloca sua gasolina (e eu nunca faço direito)
* As estacoes do ano sao bem definidas (por aqui é mais ou menos, o outono não é tão outono assim as folha caem mas naum ficam tão amareladas como lá em Minnesota por exemplo)
* Vc so bebe e compra cigarro se for acima de 21 e mostrar ID (é tem sido assim comigo até então mas a maioria das meninas menores de 21 tem ID falso)
* Veado ou Cervo (Deer) tem por toda parte (aqui em casa tem uma familia, e comem todas as plantas da M, já até postei uma foto né Rod? ;))

* Coelhos, esquilos e patos nos jardins e ruas eh normal (esquilo sim, o resto nunca vi não, agora tem coiote que come os bichinhos, por isso que os gatos daqui de casa não saem pra rua. mas eu nunca vi um não e nem quero)
* 2 meses de ferias escolares (é mermo? sabia não)
* Cada placa de carro de cada state vem dizendo tipo um lema relativo ao estate ex NY- the empire state, NJ – the garden state, FL – the orange state, GA – the peach state, Arkansas – the national state (aqui não vi isso ainda não, mas sei q a Califa é chamada de golden state por causa da cor que fica quando o sol se põe eu já vi e é lindo, fica golden(dourado) mesmo. mas o que já vi muito é neguinho se gabando na placa do carro, escrito Google, Apple (eu moro na area do sillicon valey onde ficam todas as grandes empresas de informatica), Stanford Alumni)
* Nos self-service, o prato de comida é do tamanho de sobremesa, e o de sobremesa é uma cambuquinha (principalmente restaurantes chineses) (Ainda nao comi em self-service)
* Droga eh liberada e aborto tambem
* Vc eh o q vc tem, pais totalmente capitalista (Fato! Mas nao eh novidade pra ng neh... e ninguém tem nada de verdade é tudo credito por isso que o mundo ta em crise)
* Se vc reclama pelos seus direitos, vc sempre tem retorno (Acredito q sim, as coisas aqui funcionam mesmo)
* Em muitas casas não existe luz no teto, so abajures. Luz no teto so banheiro e cozinha (é verdade, muito engraçado mas ilumina meio mal, minha mãe sempre reclama, embora eu ache lindo acender o abajur pra ler)
* Agua em qualquer lugar eh gratis (não sei se em qualquer lugar, mas todos os que eu já fui até então tem sido sim e eu sempre peço agua porque refrigerante é horrivel até coca-cola é uma bela porcaria. o gosto é diferente sim pq é feita com glucose de milho ao inves de açucar)
* Vc pode repetir sua bebida no Mc Donald's qdo quiser (Nao soh no Mc D., mas em praticamente todo lugar tem refil!)
* Bancos tem drive-thru e abrem aos sabados (Perfeito! Vc nao precisa nem entrar no banco pra fazer um deposito, por exemplo... vc faz tudo por meio de uma especie de tubo q manda suas coisas pra dentro do banco e vice-versa)
* As praias nao sao tao cheias como no Brasil e tbm nao tem nao existem aqueles camelos vendendo coisas e gritando..."OLHA O ESPETINHO DE CAMARAO!!!" (As praias aqui do pacifico são bem geladas e tem muita neblina então quase ninguém entra na agua, o que eu vejo muito é gente caminhando. O que tem também é parque de diversões na praia. Acho engraçado que eu acho as praias daqui muito sem graças e as europeias acham tuuuuudo)

* Eh suposto dar gorjetas em todo lugar (geralmente de 10 a 20% do valor gasto e eu sempre tenho preguiça de fazer a conta)
* A previsao do tempo sempre da certo (diferente do Brasil ne?, hehehe) (Ateh pq se dah errado, o cara do tempo eh praticamente crucificado! Jah ouvi algumas historias...)
* As criancas sao TODAS mimadas (Nao gosto de generalizar, mas todas q conheco sao sim...) (Eu tb naum gosto de generalizar mas só conheço uma que não é o resto é tudo igual. Até a minha baby já ta ficando. O problema é que ser pai e mãe aqui nos EUA é complicado. Há uma cobrança muito grande pros pais fazerem sempre a coisa certa e eles acabam tentando demais, demais e ferrando tudo. Como o meu host diz parece que aqui as pessoas acham que bebês nascem perfeitos e se acontece algo de errado com eles a culpa é dos pais e os pais são crucificados por isso. Então quando o bebê chora a mãe já acha que vão achar que ela não é boa mãe porque o bebê esta chorando ai ela faz de tudo pro bebê parar de chorar e acaba mimando a criança. Eu bem sei disso...)

* Vc pode pedir um taxi em Long Island e às vezes pode encontrar outra pessoa ja dentro do taxi, indo para outro destino! Vc divide o taxi, gasta mais tempo e cada um paga sua corrida e mais a gorjeta! (ja cansei de pegar taxi assim) isso so acontece em LI pq aqui nao tem mto servico de taxi (Fato! A gente pegou um assim lah!)
* Qdo o onibus escolar para, todos os carros em todas direcoes sao obrigados a parar tbm ate q todas as criancas estejam devidamente dentro do onibus e o onibus comece a andar (Fato! E se nao parar eh um dos piores crimes de transito q vc comete!)
* A velocidade permitida a dirigir eh super obedecida (Nao sei nao... aqui nem tanto...) (aqui tb não, mas tem que ficar de olho no seu poliça)
* Sinais de transito pendurados por um fio e balancam com o vento, maior confusao (Terrivel mesmo! Ai eu me pergunto denovo: kd a modernindade??) (aqui não, é tudo bonitinho e ficam do outro lado da rua, não em cima de vc como é ai no Brasil)
* Carro aqui eh mto barato e geralmente eh 1 por habitante (Por isso q o transporte publico eh uma merda!)
* Esporte eh super valorizado e exigido nas escolas quem faz esportes e compete pela faculdade pode conseguir bolsa integral (também era assim com instrumento musical, mas segundo meu host com o governo Bush isso acabou pq a grana ficou curta, foi toda lá pro Iraque né)
* Eh normal arrotar na mesa, na frente de pessoas, no carro, no onibus, no mall e dizer “Excuse me” (com licença)!! (é verdade mas eu naum vejo muito naum, só mais no meu host pq familia sabe como é né. ele nem fala excuse me mais, só quando a mãe dele tá ou quando temos convidados).
* Eh normal vc encontrar de vez enquando um funcionário de uma loja almocando na sua frente e te atendendo ao mesmo tempo (nunca vi naum)
* BARATA??? Mto dificil, so nos becos podres de NYC (naum vejo inseto por aqui, tudo tem tela e tudo vive trancado, agora la fora tem teia de aranha a dar com pau)
* Chocolate Cookie eh uma sobremesa basica, em todo lugar tem... (meu tudo, amo demais. como de café da manhã quando tem aqui meus hosts acham engraçado. naum vejo problema...)
* Eh super normal se perder nas estradas.... quem nunca se perdeu???? (sim eu me perco todos os dias, até voltando pra casa)
* Toda casa tem lava louca, maquina de lavar e secadora de roupas (Em todas q jah fui tinha, e normalmente vem na casa qndo vc compra)
* Ninguem bate palmas no parabens... (Eu sempre tenho que resistir a vontade que dar de levantar as mãozinhas e bater palmas)
* Calcinhas nao tem meio termo, ou eh tonge (enfiada atras) ou eh gigante, como mulher maravilha... (Realmente, calcinha estilo brazuca eu ainda nao encontrei...)
* Todas casas tem ar condicionado e aquecedor (E a minha tem ventilador de teto tb!)
* Todos os carros sao automaticos (nem todos, os dos meus hosts são manuais, conheço várias pessoas que tem carro manual. eu particularmente prefiro o automatico)
* CVS, Starbucks, 7 Eleven e Dunking Donuts existe por toda parte (nunca vi CVS naum mais deve ter)
* Ninguem anda de chinelos pela casa, andam descalcos ou de meias (eu ando e naum abro mão das minhas havainas)
* Empregados chegam de BANDO p/ limpar a casa (tendi naum)
* As ruas nao tem poste de iluminacao, com exceçao as avenidas... (naum tem e eu acho isso o fim. é perigosissimo dirigir na freeway há 120 por hora na escuridão vc só vê até aonde seu farol ilumina. reclamo direto pq vc naum consegue ver a rua que vc vai entrar. Quando venho da highway pra entrar na minha rua vou na fé pq naum da pra ver a rua em si. sempre falo pro meu host q é um perigo e outro dia ele me zoou dizendo que eu vou pedir rematch e meu quesito numero um de familia vai ser iluminação na rua rs )
* Carro de bombeiro com a sirene ligada e correndo eh completamente normal...(acontece todo dia..aff) (é só o que eu ouço aqui tb)
* Rapazes de chinelo nas baladas no verao.... (ninguem merece..heheh) (Tem de tudo nas baladas, mas o mais incrivel eh como os caras chegam nas mulheres... Eles simplesmente vem dancando junto, a danca comeca a ficar quente, praticamente um baile funk, e dali eles jah vao direto pra algum lugar... Nao rola nem uma conversa, nem um beijo... bizarro! Foi oq presenciei e oq me disseram q eh comum) (de fato)
* Mulheres saem de casa de manha ja maquiadas como se fossem para uma festa (Aqui na califa naum vejo muito disso naum. as mulheres são mais casuais. agora lá em Minnesota era impressionante, todo mundo parecia que amanhecia maquiado)
* Criancas ate uns 8 anos tomam banho dia sim, dia nao (Aqui a baby C toma banho todo dia. E é assim que a maioria das crianças que eu conheço. Mas no frio realmente não tem necessidade de dar banho todo dia. E como o clima aqui (na califa) é muito seco naum da pra da banho direto que racha a pele (de verdade, a minha ta quase).

Ficou grande mais eu achei legal. Ela conseguiu cobrir quase tudo.

Bjus a todos e obrigado a Gaby e a irmã dela.

domingo, 2 de novembro de 2008

Yes We Can (Sim, Nós Conseguimos)

Eleições americanas. Longe de mim babar o ovo dos americanos mas temos que dar o devido crédito. Não conseguimos negar que isso se reflete no mundo inteiro. Mais longe ainda de mim entender de política, principalmente dessa política que acontece aqui. Sinceramente não tenho conhecimento de causa pra dizer se o Obama é mesmo a melhor opção. Mas uma coisa eu posso dizer, ele sabe fazer um bom discurso.



It was a creed written into the founding documents that declared the destiny of a nation.
Foi um credo escrito nos documentos fundadores que declararam o destino de uma nação.

Yes we can.
Sim, nós conseguimos.

It was whispered by slaves and abolitionists as they blazed a trail toward freedom.
Foi sussurrado por escravos e abolicionistas equanto eles marcavam com fogo o caminho em direção a liberdade

Yes we can.
Sim nós conseguimos.

It was sung by immigrants as they struck out from distant shores and pioneers who pushed westward against an unforgiving wilderness.
Foi cantado por imigrantes enquanto eles vinham de terras distantes e pioneiros que avançavam oeste contra uma vastidão implacavel.

Yes we can.
Sim, nós conseguimos.

It was the call of workers who organized; women who reached for the ballots; a President who chose the moon as our new frontier; and a King who took us to the mountaintop and pointed the way to the Promised Land.
Foi o clamor de trabalhadores que se organizaram; mulheres que buscaram as urnas; um presidente que escolheu a lua como nossa nova fronteira; e um rei que nos levou pro topo da montanha e apontou o caminho pra terra prometida.

Yes we can to justice and equality.
Sim, nós conseguimos pra justiça e igualdade.

Yes we can to opportunity and prosperity.
Sim nós conseguimos pra oportunidade e prosperidade

Yes we can heal this nation.
Sim nós conseguimos curar essa nação.

Yes we can repair this world.
Sim nós conseguimos reparar esse mundo.

Yes we can.
Sim nós conseguimos.

We know the battle ahead will be long, but always remember that no matter what obstacles stand in our way, nothing can stand in the way of the power of millions of voices calling for change.
Nós sabemos que a batalha que nos espera será longa, mas sempre lembre que não importa quais obstaculos entrarem no nosso caminho, nada pode ficar no caminho do poder de milhões de vozes pedindo mudança.


We have been told we cannot do this by a chorus of cynics...they will only grow louder and more dissonant ........... We've been asked to pause for a reality check. We've been warned against offering the people of this nation false hope.
Um coral de cinicos nos disse que não conseguiremos fazer isso... eles só falarão mais alto e mais dissonante..... Nos pediram pra parar e cair na real. Fomos avisados para não oferecermos as pessoas dessa nação falsas esperanças.

But in the unlikely story that is America, there has never been anything false about hope.
Mas nessa historia improvavel que é a America, nunca houve nada falso no que diz respeito a esperança.

Now the hopes of the little girl who goes to a crumbling school in Dillon are the same as the dreams of the boy who learns on the streets of LA; we will remember that there is something happening in America; that we are not as divided as our politics suggests; that we are one people; we are one nation; and together, we will begin the next great chapter in the American story with three words that will ring from coast to coast; from sea to shining sea --
Agora as esperanças de uma menina que vai pra uma escola caindo aos pedaços em Dillon são os mesmos sonhos de um menino que aprende nas ruas de LA; nós nos lembraremos que há algo acontecendo na America; que não somos tão divididos como nossos politicos sugerem; que nós somos um povo; nós somos uma nação; e juntos, nós começaremos o próximo grande capitulo na historia americana com três palavras que soarão de costa a costa; de mar a brilhante mar--

Yes. We. Can.
Sim. Nós. conseguimos.


Independente de todas as ideias anti-americanas que você possa ter, pode falar, é um discurso muito bem escrito do ponto de vista literario, e muitissimo inspirador.

American Wedding (casamento)

Depois de quatro dias em Minnessota nós fizemos as malas e partimos pra Iowa pro casamento da amiga da M. Na verdade foram dois casamentos, quem vê não diz que o país ta em crise. But anyway...

Foi tudo meio louco se você quer saber e principalmente depois de viajar com um bebe e dormir num colchão de ar por dias (nada, nada comfortavel, quem já dormiu em colchão de ar sabe) eu não tinha mais tanta energia pra aquilo tudo. Mas eu participei de quase tudo e foi ótimo ver como eu fui incluida e tão bem tratada, conheci todos os amigos dos meus hosts e ouvi eles apreciarem meu trabalho com a baby C.

Também foi meio que um tratamento de choque. Imersão total na host family.

Foi legal ver como um casamento americano é de verdade. Bem parecido com um brasileiro heheheh, só que mais chique. São pelo menos três dias de festa, sendo que nesse caso foram cinco porque o noivo era hindu e a noiva protestante então houve duas cerimonicas de casamento.

Na quarta uma festa pra pintura de hena, na quinta o casamento hindu que foi bem divertido porque a noiva e os pais dela não tinham noção do que estava acontecendo então eles erravam tudo toda hora. Na sexta foi o rehearsal dinner (jantar do ensaio). Eles ensaiam a cerimonia e depois tem um jantar que normalmente é só pras pessoas que vão participar da cerimonia, mas nesse caso foi pra geral. Foi bem divertido, embora tenha sido numa fazenda, ao ar livre com direito a chuva e muuuuito frio, principalmente pra carioca aqui.

No dia anterior durante o casamento hindu, estava um sol lindo e a gente foi do lado de fora tirar fotos. Apesar do sol eu estava congelando por causa do vento. Meu host foi me passar a baby C e a mão dele esbarrou na minha e ele ficou horrorizado com o quanto a minha mão estava fria. Eu sempre reclamo que estou com frio e ele diz que eu sou fresca, acho que ele não tinha noção. É impressionante gente, eu estou sempre arrepiada, tremendo, com as unhas roxas e eles de camiseta achando o tempo ótimo. Por causa disso ele me levou no Wallmart e me fez comprar uns pacotinhos que você coloca no seu bolso e no sapato pra manter mãos e pés aquecidos. Funciona, foi a melhor coisa do mundo. Lá pelo final da festa tava tão frio que eu naum queria mais sentar, ficava em pé com a baby C andando pra la e pra ca pra me manter aquecida. Mas no geral foi divertido.

No sábado foi o casamento meixmo, que aqui acontece a tarde. Depois da cerimonia fomos pra recepção, ou como chamamos no BR, festa. É como a gente vê no filme, todo mundo sentado, eles servem um jantar, rola um ou outro discurso, eles brindam aos noivos, abrem a pista de dança e o resto eu não sei porque meu host ficou doente e nós tivemos que voltar pro hotel. Mas também foi divertido o pouco que eu vi e eu dei graças a deus por voltarmos cedo porque apesar de eu estar sendo muito bem tratada por todos eu simplesmente não me encaixava naquela mesa. Todo mundo ali era amigo há muito tempo e tinham suas historias pra contar e eu lá agarrada na baby C porque sem ela eu não tinha o que fazer nem com quem conversar.

No domingo, acordei crente, crente que ia entrar no avião e voltar pra casa. Meus hosts, que eu amo, mas que nunca me informam de nada (isso me deixa louca, eu tenho que ficar prevendo os planos deles) só me contam no carro que a gente estava era indo pro brunch na casa dos pais da noiva e não pro aeroporto. Ai você vizualiza, todo mundo lindo e loiro, de maquiagem feita e eu toda largada de tennis cabelo mal penteado. A comida tava boa pelo menos...

Coisas que eu não vou esquecer:
- a irmã da noiva abrir um sorriso e perguntar "Você é a Carla?! Que bom te conhecer!" quando me viu com a baby C. Eu estou famosa ou coisa assim? ;)
- a mãe do noivo pertuntando pro meu host se eu era a babá e ele dizer "não ela é a nossa au pair, ela mora com a gente e nos ajuda a cuidar do bebê." não que eu tenha alguma coisa contra ser a babá. Não tenho mesmo, até me apresento assim pras pessoas. Mas foi legal que ele se importou em não me rebaixar.
- os amigos dos meus hosts indo buscar comida e bebida pra mim quando eu ficava presa na cadeira com a baby C dormindo no meu colo, ou quando eles me chamavam pra ficar com eles toda vez que meus hosts estavam ocupados durante a cerimonia. Toda e qualquer atenção vindo da parte deles foi bem vinda, já que são todos médicos importantes que podiam dar a minima pra "babá" mas não, demonstraram muita consideração e respeito.
- o abraço da mãe da noiva quando eu estava indo embora do brunch. a mulher mal me conhecia e me abraçou como se eu fosse alguém que ela não via há muito tempo.
- as vovós que quando me viam com a baby e o host, vinha discretamente averiguar se eu era a mãe (muito engraçado).
- quando eu entrei na casa pro brunch a noiva lá da cozinha me ver e gritar "hi Carla!" serio, esse povo podia muito não dar a minima pra mim.
- como a baby C cresceu e desenvolveu toda aquela semana. Foi impressionante. Ela foi a estrela do casamento e eu me sentia o display. Ela foi melhor acessorio que eu já tive na minha vida, todo mundo parava pra olhar pra gente. =)

No caminho de volta eu fui atacada pelo meu mau humor (sou que nem criança quando eu to cansada fico de mau humor). No avião dei um fora no host e tive que pedir desculpa e explicar que eu fico de mau humor quando to cansada. Foi legal ouvir ele rir e dizer que estva feliz por me ver demonstrar emoção já que isso é familia e não trabalho. Quem é au pair me entende.

Sou muito abençoada de estar aqui com essa familia. Não tem como não estar muito agredecida por isso.

Parabéns pra baby C que esta fazendo 4 mesinho hoje, coisinha mais fofa da Carlinha. Your Carla loves you, cutie pie.

domingo, 26 de outubro de 2008

The Ultimate American Experience (A experiencia americana)

Semana passada, viajando com a dear host family, fui exposta a o que eu chamo de 'ultimate american experience'. Eu amo a Califa Mastercard (não tem preço) mas aquele EUA que a gente vê na TV não é o EUA da Califa. Já em Minnessota (fronteira com o Canadá, la do outro lado dos EUA) são outros 500. Logo ao chegar fui exposta a lindas árvores amareladas e avermelhadas, o outono que a gente nunca vê no Brasil. Peguei a listinha de coisas que eu sempre quis ver na vida e risquei um item: check!


Fomos direto pra um churrasco numa casa cercada por uma cerquinha branca, o chão cheio de folhas amarelas e o quintal repleto de gente branca, loura, lindas, gentis e educadas com suas crianças louras de bochechas rosadas. Eu olhava em volta e pensava, não, não pode ser. Juro por deus que eu não estou exagerando, só tinha gente linda e eu lá no meio.

Mais americano que isso não há, naquela tarde em vários momentos eu parei e pensei gente, eu realmente estou nos EUA, é igualzinho um filme.



Ps.: Aproveitando pra elogiar meu bebê que se comportou muitissimo bem durante toda a viagem inclusive melhor até do que eu.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Getting used to it...

Quinta-feira a tarde, Baby C dormindo no balanço, eu sentada no sofá vendo talk show e comendo salada de macarrão que eu fiz sozinha. De repente parei e pensei, "Parece que eu to em casa."

shocked monkey Pictures, Images and Photos

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

O melhor de Los Angeles








Duvidas sobre como fazer pra justificar seu voto (dia 5 de outubro eleições no Brasil pra quem não lembra), dá uma olhada no que a Jenny postou

domingo, 14 de setembro de 2008

TUDO novo

Acabei de passar a quantidade de tempo mais absurda do mundo arrumando uma cama. 30 minutos arrumando uma cama, meia hora, MEIA HORA!!! Depois dos primeiros minutos e eu ainda muito confusa em relação a que lençol ia aonde e pra que lado ele ficava, eu comecei a rir de mim mesma. A cama ta lá feita. Não sei se satisfatorio mas ta feita e eu estou muito cansada.

Quando você muda pra outro pais tem que se adaptar com tudo novo, é impressionante. Usar o forno é um desafio porque a temperatura é outra. Quantidades também, porque eles não usam ml ou kg e sim ounces e pounds. E distancias, que eu já não sou boa em metros e kilometros avalia quando meu host diz, vc tem que estacionar a mais ou menos um pé da calçada. Tá, ahan, sei.

Ainda não consegui comprar maquiagem, sempre que vou na loja ou na farmacia fico horas tentando entender o que é o que. Fui na farmacia comprar sabonete liquido e devo ter levado mais ou menos uma meia hora procurando, isso porque eu sabia a marca que eu queria.

É engraçado isso e meio que faz você hesitar(?sp). Também é engraçado ver como as pessoas simplismente não vêem isso, pra elas é natural você ir no supermercado e quando chega no caixa você mesmo passa o cartão. Isso faz a gente pensar em quantas coisas pra nós é normal e pros outros é de outro mundo. =)

O Dilema das Férias



Tive que escolher entre ficar aqui nos EUA, ir conhecer algum lugar novo e passar Natal e Ano Novo abrigada na casa de alguma amiga ou ir pra casa passar as festas (incluindo a minha festa de aniversario) com a minha família e amigos. Por um momento eu naum sabia o q fazer. Queria muito ir pra casa, rever todo mundo, Natal é muito especial pra mim pois é meu aniversário. Também queria aproveitar minhas férias aqui conhecendo algum lugar legal, afinal não terei oportunidade de viajar pelos EUA denovo. Foi um dilema. Sem contar que a passagem pro Brasil é caríssima e com esse dinheiro eu poderia fazer tanta coisa aqui.

Mas parei pra pensar e percebi que o que eu queria mesmo mesmo era ir pra casa. Tentei imaginar como seria passar o Natal sem a minha família e vi que não importasse o lugar que eu estivesse meu Natal ia ser miserable (muito triste) se eu não estivesse com a minha família. Vi que não tem nada material que eu gostaria de comprar que valesse mais que passar o Natal com a minha família e estar junto dos meus amigos denovo. Eu queria muito ser o tipo de pessoa desapegada que encara o mundo, que quer conhecer o novo não se importa com essas sentimentalidades de passar Nstal com família. Mas eu não sou. As pessoas na minha vida são muito importantes pra mim e há certas coisas e momentos na minha vida que eu quero estar junto delas. Não tem dinheiro que pague isso. Graças a deus, meus hosts pagaram uma parte consideravel da passagem e meu pai pagou o resto. Serei eternamente grata. E dia 21 de dezembro to chegando ai no Rio!!!

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

New Routine - Nova Rotina

Já fazem quase sete semanas que eu estou aqui na family mas ainda me sinto em periodo de transição. Sabe quando você sabe que as coisas não são estáveis ainda então você meio que deixa rolar e não espera nem se cobra muito? Só que esses dias parei pra pensar, bem não estou aqui a tão pouco tempo assim. Acho que a desculpa de "acabei de chegar, ainda estou me adaptando" já ta ficando passada. Já esta na hora de eu me sentir mais confortavel em fazer as coisas aqui na casa (já consigo abrir o armario pra comer e até preparar um ovinho frito com arroz pro almoço - sério comida ainda é uma dificuldade). Já ta na hora de eu aprender o caminho dos lugares e parar de me perder e fazer os outros se perderem (pobre Aline e Marianna). Já tá na hora de eu começar a dirigir decentemente!

Algumas coisas finalmente comecei. Segunda foi minha primeira aula de italiano. Estou estudando italiano com o host. Como perdi o prazo de inscrição pros cursos que eu queria fazer no college (Faculdade) devido ao minha desculpa "acabei de chegar, estou me adaptando" ia ficar sem estudar esse semestre. Só que meu host resolveu voltar a estudar italiano (pq eles vão pra Italia no Natal) e perguntou se eu queria fazer com ele. Beleza, vamos lá. Adoro estudar linguas. A aula foi melhor do que eu imaginava, tudo bem que só tinha de coroa pra velho mas a professora é ótima e a aula foi bem divertida. Estou gostando desse negócio de estudar aqui no EUA e eu acho que sou a primeira au pair da historia a estudar com host heheheheehehe.

A M voltou a trabalhar semana passada então as coisas estão parecendo mais sérias também. Tenho uma rotina mais decente e sexta vou até trabalhar das 7h as 5h sem parar :o

Essa é a minha routina agora. Horários mais consistentes de trabalho, aulas toda segunda a noite, encontro de au pairs toda terça e fim de semana sempre em aberto, mas nunca jamais vazio. Ah também vejo Jon and Kate plus Eight todo dia depois do almoço heehhehehehehehe

Ponto alto da semana

- Caçar largatixa que tava no banheiro lá na casa da Marianna. Visualiza: eu de joelhos no vaso com uma caixa de madeira (dessa de decoupage) tentando pegar a largatixa e a Marianna tendo um filho do lado de fora do banheiro.

- Eu e Marianna perdidas em SF por minha causa como sempre (meu jesus como eu me perco nesse lugar, Aline já aprendeu a não seguir minhas direções). Horas paradas no ponto esperando um onibus que não passava aquele dia.




- Descendo a Lombard street, a rua mais fofa que eu já vi.



- Reencontrar a amiga Gi!



- Ser parada pelo policial no caminho pra casa porque a Marianna ultrapassou um Stop sign. Momento mais filme de mi vida.

- Chegar em casa e encontrar um jogo de arcade (sabe fliper que tem no brasil?) na lavanderia e escutar meu host se gabar que pagou $X(o mesmo valor do meu salario semanal) por ele e depois dizer "of course I`d rather have you here for a week" (é claro que eu prefiro você aqui por uma semana) - ele é sweet (um doce) desse jeito.

Perguntas e Respostas

Por que você só usa as iniciais dos seus hosts?
Porque eles não gostam de se expor na internet. Morrem de medo de alguém do trabalho resolver fazer uma pesquisa com o nome deles e encontrar coisas não muito legais. Tá né.

Por que suas roupas encolheram?
Porque aqui você lava a roupa na maquina e coloca na secadora depois e a secadora faz a roupa enconlher.

Como você faz com o teclado no seu laptop? Tem os acentos?
Tem os acentos mas a principio eles não funcionam. Você tem que configurar no Painel de Controle a lingua pra Português Brasil e o teclado pra Inglês Internacional.

Você me ama?
Sim eu ainda amo todos vocês! E não, não estou bebada.

Você quer mandar um beijo pra alguém?
Sim, pra minha mãe, pro meu pai e pra você!

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Arroz e Feijão

Ontem meus hosts resolveram que eu ia fazer o jantar. Já falei que a M é quase uma chefe de cozinha? Pois é mó pressão. Os dois tavam num bom humor o dia todo e eu morrendo de pena deles coitados, mal sabem eles que eu nunca tinha feito feijão na minha vida hahahahahaha

Então tá fui na net vi a receita e fiz, feijão, arroz, bife acebolado e pudim de sobremesa. Eles comeram na boa e elogiaram o feijão. Reconheço que a carne ficou ressecada porque eu tive que fazer correndo e o arroz é arroz né gente tem gosto de nada. Ai na hora do pudim deu tudo errado ele não saiu da forma de jeito maneira, mas ta beleza ficou gostoso.

Só que aqui eles jantam e só no final da noite comem a sobremesa. Ai tá, jantamos sentamos na sala cada um com seu laptop (é pois é) e depois a M trouxe a sobremesa. Eles elogiaram denovo (muito do elogio creio eu é educação, não to me gabando não). Ai mais tarde um pouco eu levantei pra ir dormir que tava exausta (fazer feijão cansa) peguei os pratos e levei pra pia na boa. Vi que no prato do A tinha metade do pudim mas nem liguei, achei que ele tinha deixado por qualquer motivo.

Fui mimir feliz, quando acordei demanhã entrei na net pra mandar um e-mail pra minha irmã e tinha um e-mail do A fofissimo pedindo desculpa por ter deixa o pudim no prato, dizendo que não tinha feito por mal, que ele tinha gostado e agradecendo por eu ter feito a comida. Muito fofo. Ai eu não aguento.

Noticias boas e ruins:

Fui almoçar ontem com a Aline e conheci duas dinamarquesas muito legais. Reclamei das outras au pairs que eu tinha conhecido que meio que me despresaram e elas sugiraram que nós fizessemos um encontro semanal que nem elas fazem (acho que não contei isso, soube atraves da Marianna que há um encontro semanal de au pairs num cafe aqui. fui com ela e cheguei lá só tinha alemã e suiça coisa do tipo. não me senti nada bem vinda e achei muito estranha que não tinha nenhuma brasileira. au pair brasileira é o que mais tem gente como assim! alguma coisa tinha). Fiquei feliz!

Demanhã descobri que minha querida amiga Marianna, amiga de fé irmã camarada, pediu rematch. Situação chata porque ela é au pair dos amigos dos meus hosts e eu fiquei meio que no meio da situação. Fiquei triste.

De resto ta tudo bem. Estou feliz que me sinto cada vez mais avontade na casa e com os hosts. Também to precisando comprar roupa de usar em casa que as minhas tão encolhendo!!!

bju!

sábado, 30 de agosto de 2008

Mood Swings (Mudança de Humor) e Fazendo parte da família

Sei que vocês já tão pensando 'ai la vem ela reclamar' mas nem é. Mudanças de humor repentinas é uma coisa que tem acontecido muito comigo e que eu percebi que acontece com muita au pair, mas ninguém fala sobre isso com a gente antes. É meio louco porque um dia ta tudo lindo maravilhoso, coraçõeszinhos por todos os lado e cinco minutos depois você quer chorar loucamente. Eu sempre fui muito emocionalmente estável então isso pra mim é loucura total. Mas é batata, au pair recém chegada fica muito sensivel e tudo muda muito rapido.

Essa ultima semana foi começou bem. Eu passei o fim de semana com a AnaLu2 em San Francisco, fomos pra night e nos divertimos muito.



Mas ai na hora de voltar pra casa, quando eu tive que ligar pra pedir pra um deles ir me buscar na estação tudo desmoronou. Vim no trem me sentindo o cocô do cavalo do bandido. Ai você vê como tem milhares de coisas que a gente não leva em consideração tipo o fato de que você vai de certa maneira dividir sua vida com essas pessoas que tem outra cultura, falam outra lingua e ainda por cima são seus patrões.

Morar com os outros é sempre complicado com os seus chefes pior ainda. E por mais que digam, 'au pair é parte da familia bla bla bla' e eu sou realmente tratada como parte da família, não é a mesma coisa. E por mais que a gente saiba disso quando sai dai do Brasil, a gente não tem a verdadeira noção do que isso significa (ou pelo menos eu não tinha).

Mas aconteceu algo interessante. Notei essa semana que meus hosts não são mais tão educados como já foram. Não que sejam mal educados, mas não mais exageradamente educados. Ai comecei a me questionar, será que fiz algo errado? Será que aconteceu alguma coisa? Será que eles tão com a p*** do saco cheio de mim?

Ai sai com a Marianna e ela estava reclamando da mesma coisa, mas ela me disse uma coisa interessante. O fato de eles estarem assim pode muito bem querer dizer que eles já se sentem avontadade com você e não precisam de tratar mais como um convidado, e sim um membro da familia.

Achei um ponto de vista interessante.

Então ontem no aniversário da M fomos jantar fora (pra variar). Eles pediram um aperitinho que vinha com um molho. Eu comi o negocim lá e ficou o molho no meu prato. Quando eu vejo me vem o A com um pedaço de pão raspando o meu prato. Eu comecei a rir e a M falou 'É assim que você sabe que virou um membro da família'. Ai não preciso ouvir mais nada.

É pois é, tem mais momentos bons do que ruins, então ta valendo a pena.

Algumas Considerações

- Balada america é muito estranha. Toca música mexicana e os homens não ficam chegando em você toda hora. Mas me diverti horrores.

- Teste escrito de direção aqui você faz em pé, a lapis na sala de espera mesmo. Meio estranho e descomfortavel mas pelo menos eu passei (de 36 só errei uma!). Agora falta a prova prática, ai que medo.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Homesick/Saudade

Levanta a mão quem sabe o que é homesick?
What about saudade? (E quem sabe o que é saudade?)



Deve ter alguém que não sabe mas não só a palavra como o sentimento saudade só existe em português. Em inglês é necessário uma longa descrição pra descrever a saudade. O que eles tem aqui é o tal do homesick. É um sentimento muito comum entre au pairs deixa eu te dizer. Estar homesick é sentir falta de casa, saudade das pessoas do seu lar, familia e amigos junto com uma vontade grande de voltar pra casa.

Hoje está fazendo um mês que eu pisei meu pézinho direito em Miami, American soil (solo americano) pela primeira vez. Pra mim parece que foi ontem (embora minha mãe não concorde) e acho que até agora não senti homesick, só saudade e talvez solidão. Já cansei de falar, e ninguém aguenta mais ouvir como os meus hosts são legais, inclusivos, atenciosos e etc. Mas por mais que você se sinta bem recebido, faça amigos novos não é a mesma coisa.

As primeiras semanas eu estava muito bem, surpreendentemente. Era tanta informação que não tive tempo pra pensar em mais nada. Até que semana passada, depois de passar um ótimo domingo descobrindo coisas novas e me divertindo, veio a segunda feira. As memórias do dia incrivel que eu tinha tido e ninguém com quem eu pudesse dividí-las. Ficava desenhando paralelos entre eu andando com a Marianna em San Francisco e eu andando com meus amigos da faculdade na Rua das Pedras em Buzios. Ai uma coisa puxa a outra e toda vez que eu olhava pra minha prateleira de fotos da familia, me dava vontade de chorar. Olho pra foto da minha mãe e morro de vontade de dar um abraço nela e gente vou mandar a real, a pior coisa que tem não é a lingua nova, o cenario novo as pessoas novas, é a falta do bom e velho abraço de uma pessoa com quem você tem intimidade.

Sem motivos pra preocupações. Não falei nada pra ninguem porque não é nada grave. Em nenhum momento senti vontade de voltar pra casa, só queria que o teletransporte existisse e eu pudesse trazer todos os que eu amo aqui pra pertinho de mim. Queria poder dividir toda essa experiencia surreal com vocês.

Mas estou naquele nivel critico. A mãe da M veio visitar e quando ela chegou e elas se encontraram e se abraçaram meu pobre coraçãozinho se apertou pensando no meu reencontro com minha mãe (ou mães). A mãe do A chegou ontem (muitas avós aqui) e eu fui no aeroporto buscá-la, cada pessoa que eu via dando aquele abraço de reencontro, meu coração enconlhia.

É a vida né. Acho que isso também faz parte da experiência. Agora deixa eu correr que o povo vai sair pra jantar daqui a cinco minutos e só me avisaram agora!

bjus!

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Novo Layout

Resolvi do nada mudar o layout. Queria criar alguma coisa mas não sei se vou ter tempo. Achei umas paradas legais pra colocar aqui mas não ta funcionando aparentemente. Logo, blog vai ficar meio deslayoutizado até eu conseguir fazer alguma coisa.

Enquanto isso da um tchauzinho pro veado daqui de casa.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

The Food (a comida)


Agora vamos falar de um assunto sério, muito sério. Gente este tem sido meu calvario nesse lugar. O que é a comida daqui!?! (pergunta retorica)

Tirando McDonalds que é igual mas que eu não vou nunca, a comida daqui é muito ruim! Primeiro que eles não usam sal pra temperar, segundo que eles não temperam, eles colocam pimenta e pronto. Minha boca ta sempre queimando e eu só aguento beber água.

É claro que aqui entra a minha sorte querida, minha host é italiana e só praticamente se come macarrão e pão nessa casa. Tudo sem sal e com pimenta sempre. Mas é macarrão e quem me conhece sabe, amo macarrão.

Juro que já passei fome. Inclusive já ri muito disso. Porque no começo morria de vergonha de abrir o armario pra comer. Eles aqui não almoçam, fazem um lanche. Ai eu que acordo as 6h e encontrava nada pra comer porque o café da manhã é cereal com leite e eu não bebo leite, ficava de café até um deles ter pena de mim e dizer que eu podia comer o resto do jantar. Ai era outro calvario até a janta, que já era mais decente.

Meus hosts são hiper ultra saudaveis logo todos os biscoitos aqui são integrais, assim como os pães (nada contra). Logo abrir armario pra comer besteira? Nem que eu não tivesse vergonha. Eles oferecem pra comprar coisas que eu gosto no mercado, falam pra eu pegar o que eu quiser, mas não consigo. Eles tiveram pena e compram pão francês toda semana e leite condensado sem eu pedir. Agora as coisas melhoraram, estoquei chocolate meu quarto (hihihihi - sem doce não da) e já abro a geladeira pra fazer meu almoço (que normalmente é o que sobrou do jantar ou um misto quente com queijo apimentado).

Ontem foi aniversário do A. advinha pra onde a gente foi? Uma churrascaria brasileira!!! Aeeeeee! Eles achavam que era argentina, mas acabamos descobrindo que era brazuca. Como eu fiquei feliz de finalmente entender o menu. Não achei ninguém falando portugues lá, só espanhol mas comi picanha e feijoada. Eles adoraram as carnes, tão falando bem até agora. O restaurante era admirável, chiquerrimo. Estou feliz que o Brasil fez boa impressão.



Um Ps. pra mostrar o presentinho basico que eu dei pro host. O iPrincess fui eu que criei (no Corel que meu host fofo instalou no meu computador depois que eu só comentei que usava o corel no Brasil) e mandei imprimir.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

San Francisco







Domingo passado, dia dos pais ai no BR (feliz dia dos pais pro meu PAI), eu peguei minha mais nova amiga Marianna (Holandesa) e rumamos pra San Francisco city. O A me levou pra casa da Marianna e lá o host dela (gente fina pra caramba) levou a gente pra estação. A gente fica meio se sentindo filha sabe, que o pai leva e busca? Mas enfim, isso vai mudar.

Pegamos o trem que é caríssimo e só passa de hora em hora (prefiro o metrozão do Rio) e depois de mais ou menos uma hora chegamos em SF. Nossa que lugar lindo. Funcionando a toda em pleno domingo, a cidade cheia de flores em tudo que é lugar na rua. Fomos pro shopping fazer compras e eu estava no ceu! As lojas maravilhosas, uma melhor que a outra.

A tarde encontramos a amiga Liliam (muita saudade, muito bom reencontrar as pessoas) e depois de uma abraço forte, uma pausa pra tirar foto do bondinho, pegamos o onibus (que anda no trilho) e fomos pro Pier 39. Vimos as focas, muitas, e muito barulhentas, sentamos pra bater papo num banquinho charmoso, olhamos as lojas (comprei um moleton escrito San Francisco - been there, have the sweater to prove it - fui la e tenho o casaco pra provar) e comemos muito bem. Tentamos ver a Golden Gate mas a tal da neblina não deixou (pra que não sabe tem uma neblina eterna em San Francisco que faz a cidade ficar muito fria a noite).

No caminho de volta, depois de nos despedirmos da Liliam eu e a Marianna fomos no Starbucks (pq é muito chique ir no Starbucks e beber café naquele copão), sentamos lá um pouco e conversamos sobre nossas host families e nossos planos aqui nos EUA. Depois corremos pra pegar o ultimo trem de volta e sentamos atrás de alguns americanos bebados que tentaram conversar com a gente o caminho todo de volta. Foi bem engraçado.

San Francisco é uma cidade linda, bem do jeitinho que eu gosto. As pessoas são educadas, a cidade é limpa, tem milhares de coisas interessantes pra te oferecer (lojas, restaurantes, beleza natural). E hoje conversando com os meus hosts descobri que ainda tem muito, mas muito pra eu ver. Mas acho que o ponto alto do dia além de ter um break dos meus hosts (que são uns amores, eu adoro, mas 24 horas por dia, 7 dias por semana é demais) e de comprar um par de oculos escuros lindos por 15 dolares na American Eagle foi passar o dia com a Marianna. Quando estamos aqui longe da familia e dos amigos, sentir que você fez um amigo novo da um sossego no coração.

Citações do Dia em San Francisco

"Como assim você pergunta se a pessoa quer um abraço. Que pergunta idiota. Ninguém pergunta 'Você quer um abraço' você vai lá e dá o abraço." by Marianna

"Então, quem é do Brasil e quem é da Holanda?" Idiota bebado perguntando pra mim (baixinha, gordinha e morena) e pra Marianna (loira de olhos azuis) quem era da onde.

"Pergunta honesta, Brasil é na Argentina?" by Idiota bebado numero 2

Boa Noticias da Semana

Dirigi feliz pro mercado hoje com a minha host, acertei o caminho quase todo e estacionei direitinho todas as vezes. IEI!!!! (Meu host comprou uma almofada pra eu usar no carro, qualquer dia eu faço um post sobre isso)

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

The people (as pessoas)

De longe o que mais me assombrou desde que eu cheguei aqui foram as pessoas. Eu sou do Rio e carioca normalmente é muito simpático e aberto, mas nada na minha vida poderia ter me preparado pra o que eu encontrei aqui. Até agora nessa terra somente uma pessoas não foi simpatica e gentil comigo, e essa pessoa foi um dos guardas na imigração em Miami. De resto é de assustar, cem por cento das pessoas que eu sequer cruzei o caminho sorriram, perguntaram como eu estava e/ou se ofereceram pra ajudar.

Eu fico dizendo isso repetidas vezes pras pessoas aqui e eles respondem dizendo que isso é na Califa só, mas em New Jersey e em Miami as pessoas também foram muitissimo educadas. No hotel eu entrava no elevador, as pessoas sorriam, cumprimentavam e quando elas ou eu saiamos elas davam tchau. No aeroporto em Pittsburg (Pensylvania) onde eu fiz a conexão, sentei pra esperar o avião, sentou uma mulher duas cadeiras depois de mim, e sorriu pra mim. Uma mulher estava com muletas e lenvantou pra ir ao banheiro segurando uma bolsa pesada, foram pelo menos três pessoas ajuda-la. Sério no Rio ela ia no minimo ficar com medo de ser assaltada (sem generalizar é claro).

No supermercado, se eu parar um minuto na frente de alguma prateleira e não fizer nada alguém vem perguntar se pode ajudar. No caixa, eles sempre dão aquele sorriso perguntam como você ta e se você encontrou tudo que precisava. Na clinica quando fomos levar Baby C no pediatra os médicos, enfermeiros, atendentes, até os proprios pacientes que estivessem vindo em direção contraria a sua no corredor, sorriam e comprimentavam.

Dirigindo, todo mundo deixa você passar, te dão entrada é só você ligar a seta e foi. Pisou na faixa de pedestre, todo mundo para. E sempre que eu paro as pessoas que estão atravessando sorriem pra mim.

Ontem fui tirar meu Social Security (uma especie de CPF) e o guarda foi muito gentil, a atendente muito simpatica, fez varias piadas. Lá tinham vários estrangeiros inclusive uma familia de hispanicos com duas crianças e um baby. Em um momento, um dos pirralhos escorregou e caiu e chorou muito é claro. Na mesma hora veio o guarda perguntar se eles estava bem e mais duas pessoas lá de dentro sairam pra perguntar se ele estava bem. O pai disse que sim uma, duas vezes, quando perguntaram a terceira vez o cara ficou enfezado e respondeu super aspero, "ele é meu filho, eu sei que ele ta bem" ai a mulher que veio la de dentro toda respeitosa se desculpou e explicou que eles só queriam ter certeza que ele estava bem. Ai quando eu saio lá de dentro meu host me pergunta, "Eles te trataram bem?" e eu "Sim, muito bem" ai ele "É que essas pessoas que trabalham pro governo normalmente não são muito gentis". Tá né.

Falando em hosts, uma momento pra eu babar um pouquinho. Acho que eles vão precisar de um post só pra eles. Não só eles, como as pessoas da família deles, os amigos deles são todos extremamente atenciosos, simpaticos, gentis e educados. As vezes eu penso, gente não é possivel. Toda vez que a gente se encontra num comodo eles me comprimentam. Me perguntam varias vezes ao dia como eu estou, se eu dormi bem. Se eu ficar muito tempo no meu quarto eles vão me perguntar se ta tudo bem. Tentam me tirar de dentro de casa todos os dias dizendo que não faz bem eu ficar dentro de casa o tempo todo. Me levam pra dar ma volta e o tempo todo perguntam se eu quero alguma coisa.

Quarta, parentes da M lá da Italia estavam aqui, uma ruma de gente, mais ou menos 10 pessoas falando italiano frenético. Depois do almoço eles sairam pra conhecer a cidade e me chamaram pra ir junto. Eu não aceitei porque já era gente demais e ia ficar meio apertado. Fiquei em casa feliz da vida, lavei roupa, fiz a unha, coloquei a fofoca em dia. Lá pelas sete da noite me liga eles pergutando se esta tudo bem, pedindo desculpa por me deixar sozinha o dia todo, dizendo que estavam levando pizza pra mim mas que eu podia comer o que eu quisesse na cozinha. Mais ou menos meia hora depois quando eles chegaram foram direto pro meu quarto sentaram na minha cama pediram varias desculpas por me deixarem sozinha o dia todo, disseram que não ia mais acontecer, perguntaram se eu queria que eles esquentassem a pizza. E eu quase, gente pelo amor de deus parem de ser tão legais!!!

Sério, côdiloco isso aqui. Desculpa o post longo, é que a admiração é grande. Espero não ter ofendido ninguém, graças a deus todos vocês são muito gentis e educados, quando falo da minha admiração, falo das pessoas que prestam serviço aqui, o que vamos concordar no Brasil (ou pelo menos no Rio) não é assim. Enfim, não estou generalizando, jamais.

Momento engraçado de ontem: meu host me ensinando a fazer balisa do lado de uma escolinha. As crianças vem e falam "Como assim ela pode dirigir?" indignadas. Hahahahahahahaha

Amo todos você. E não se preocupem, tudo isso aqui é maravilhoso mas eu sei que nada é meu, só to aproveitando bem pra voltar melhor pra vocês!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Working... (trabalhando)

São quase nove da manhã e eu estou na labuta há quase duas horas. Pois é, vida de au pair. Meu host ta viajando, problemas na familia, e eu to de back up aqui então até ele voltar vou trabalhar mais que o normal, o q ainda não é muito.

Já falei que to amando essa vida de au pair? Serio é muito mais facil acordar cedo quando você sabe que pra chegar no trabalho só basta descer as escadas (e não pegar um transito de quase duas horas). A Chiara é basicamente um amor de criança. Hoje por exemplo ela esta me surpreendendo, ficou no bercinho quetinha acordada e depois pegou no sono sozinha e ta dormindo há quase uma hora. As vezes até me assusto. Já consigo perceber quando é fome, quando são gases e quando ela só ta de manha mesmo. A troca de frauda tem sido intensa mas já desenvolvi uma tecnica contra acidentes durante a o processo de troca (ela faz sempre mais cocô ou mais xixi quando a gente ta trocando). É um amor meu bebê, estou apaixonada por ela. Ontem eu não trabalhei e desci morrendo de vontade de ficar com ela no colo um pouquinho.

Estou achando muito especial toda essa experiência. Adoro quando ela fica quetinha no meu colo, quando consigo fazer ela parar de chorar e as vezes acontece de ela estar no bercinho e eu falar com ela, ela virar pra me olhar e dar um sorriso (eu sei, eu sei, o sorriso não é verdadeiro nem proposital mas é uma delicia).

Minha rotina é basicamente, ficar com ela das 7h ao 12h, trocar e alimentar. Depois disso eu estou basicamente off, as vezes me ofereço pra olhar ela pra que a M possa dormir um pouco mais. Baby C dorme a maior parte do tempo e eu leio enquanto isso. Tem um mundo de livros nessa casa. A tarde, normalmente ou nós vamos todos a algum lugar ou o A me leva pra treinar a direção e ir na Target comprar frauda. Depois eu fico no meu quarto na net, lendo, vendo Tv. Jantamos por volta das 8h, vejo um pouco de Cientific TV com eles (as vezes é interessante, as vezes é meio chato) e lá pelas 9h subo de vez pro meu quarto pra dar a eles um pouco de privacidade.

Essa tem sido minha vida nessa última semana. Não fiz muitos amigos ainda. Ontem conheci a Aline de São Paulo, a Patricia de Minas e o namorado da Aline que veio de São Paulo pra fazer curso de inglês aqui. Fomos ao Outback, foi muito bom, muito bom. Como eu precisava de um abraço brasileiro e de falar português.

Quando cheguei em casa a M tava colocando Baby C pra dormir. Ela me perguntou como foi e eu disse que era ótimo poder falar portugues. Ela disse que já tinha morado na Italia por 6 meses e que ela me entendia completamente, que o esforço de falar outra lingua constantemente era exaustivo e que chegava uma hora que seu cerebro para. Como ouvir aquilo me fez sentir bem.

Baby C is up (ela acordou) e esta feliz mas sei é por pouco tempo.

Duty calls (o dever me chama)

AMO VOCÊS!!!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

What's New (novidades)

Coisas novas que eu fiz e conheci esses ultimos dias:

Fui a San Francisco - não foi possivel conhecer muito da cidade pois fomos a um lugar especifico e tivemos que voltar rapido por causa do baby, mas o pouco que eu vi me lembrou um pouco o centro do Rio. Meio frio mas não tanto quanto dizem.

Comi comida Tailandesa - muito boa, um pouco apimentada. Mas o restaurante que nós fomos era a coisa mais fofa da face da terra, bem pequeno e aconchegante.

Dirigi automatico - nunca mais quero dirigir manual that's for sure (com certeza)

Andei por downtown Palo Alto - É a cidade onde fica Stanford University. Coisa mais linda o centro da cidade lá. Os predios são pequenos as ruas arborizadas e floridas as lojas super charmosas.

Vi veados - acho que eu já contei isso né, mas tem uma familia de veados praticamente morando aqui no quintal, são uns 6, tão fofos.

Também troquei muita frauda, dei muita mamadeira, acordei bem cedo e etc, mas isso faz parte da vida de au pair né. Eu não reclamo, eu adoro ficar com a minha coisiquinha. Acho o maximo que eu consigo reconhecer quando ela ta com fome ou quer arrotar.

Fazendo um parenteses aqui pra agradecer a todos os Deuses do mundo pelos meus hosts. Eles são tudo no mundo. Eu olho pra eles e penso, meu deus, eu jurava que pessoas assim não existiam mais. Cada vez que ouço uma conversa ou vejo uma demonstração de carinho e preocupação deles um com o outro eu não consigo segurar o sorriso. Depois que eu vi o video do casamento deles então, nossa parei. Agora eu tenho certo na minha mente o tipo de casamento que eu quero ter um dia. Só espero ser tão sortuda. Eles são muito especiais.

É isso por agora, confesso que não tenho tido muita energia pra postar porque se adaptar a essa vida tem sido cansativo. São quase dez horas da noite aqui e eu estou mais que pronta pra ir dormir. Amanhã é sabado e eu trabalho. C'est la vie.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Coffee Shop

Estou num tipo coffee shop americano, almoçando com o meu laptop. Vim dirigindo yay! Naum matei ninguem embora meu host quase tenha morrido do coração.

sábado, 26 de julho de 2008

Update

Em primeiro lugar

Quero agradecer, primeiro a Deus pela minha sorte absoluta. Eu naum sei dizer se eh sorte ou se eu sou abençoada. Porque até aqui tudo tem corrido maravilhosamente bem. Algumas coisas do jeito que eu esperava, outras naum mas no final tudo ficou bem e eu estou feliz, isso e o que importa.
Tambem quero agradecer a minha familia e amigos pela atenção, visitas, presentes. Eu naum esperava e isso me fez sentir muito bem. Quase que desisti de vir, :)

Despedidas

Eu as temi como cachorro teme agua. Mas naum tinha como fugir. Chorei, choramos todos, ate quem eu naum esperava que chorasse. Confesso que, entrei no avião pensando, meu deus a primeira oportunidade que eu tiver eu volto. Mas isso era so o medo misturado com todo o carinho que vc recebe. Vai ser dificil, vai te fazer chorar mais faz parte. A vida é emocionante.

Avião

Pra quem nunca tinha voado na vida, I`ve had enough (pra mim chega). Classe economica por horas naum faz bem pra ninguem. Quem puder tenha um daqueles travesseiros de pescoco ou um amigo pra colocar as pernas em cima. Amigos saum muito uteis nessa hora e sou muito grata de ter tido a Gi, a Ju, a Miriam e a Lorena pra dividir comigo aqueles momentos miseraveis.

Imigração

[Esse eh conselho pra Bela ;)]
É tranquilo, mas ter 1,50m, cara te criança, estar carregando um cachorrinho de pelucia e vestindo uma blusa rosa DOES NOT HELP (naum ajuda). O guardinha la cismou que eu naum tinha 23 anos. Mas ele fez umas piadas, eu ri e passei (logo depois da Ana Furtado e do Boninho, uau).

Alfandega

Me pegaram, porque? Naum acreditaram que eu ia ser au pair, achavam que eu estava com o grupo da Disney. O guardinha foi simpatico, ficou me zoando, mas eu tava de bom humor. Abriu minha mala, revistou tudo. Me disse que falava portugues mas so falou espanhol e eu deixei passar (era autoridade ne). Chamou todo os guardas de la e perguntou que idade eles me davam. Quem deu mais deu 16. Ta né...

Miami Beach

Lindo, lindo, lindo, mas todo mundo fala espanhol. Eu frustrei, confesso. Crente, crente que ia falar ingles, arrasar, que nada, eu perguntava em ingles, eles respondiam em espanhol.

New Jersey

Eh legal. Bem perto de NY o lugar onde ficamos. O hotel é maravilhoso. Acho que nem tão cedo vou poder me hospedar num hotel daquele denovo. Starbucks de graça, to no céu.

Primeiro dia, primeiras impressões

É uma mudança muito grande, eu fiquei meio perdida. Chegando em Miami e aquele bando de pessoas falando espanhol e vc querendo se expressar em ingles sem conseguir. Juro que cheguei num momento e pensei, to f*** naum vou conseguir me expressar aqui, naum consigo compra uma agua, como eu vou me virar? Mas isso foi só o primeiro instante. Depois sem perceber vc vai se adaptando e quando vê já se arranjou.

A Pessoas

Extremamente gentis e educadas. To passada. Eles se oferecem pra ajudar, sorriem pra vc. Aqui na minha family, eles agradecem até a pessoa que cozinhou pela comida. Impressionante.

Dando noticias

Gente é quase impossivel dar noticias durante a primeira semana. O tempo é pouco e ligar é caro. Usar internet tambem é muito dificil, poucos computadores, lentos e muita gente querendo usar. Eu só entrei pra dar noticias rapidas pra algumas pessoas e mesmo assim depois de esperar muito tempo.

Treinamento

Eu fiz o Infant Specialized (especial pra quem vai cuidar de bebes) entaum naum da pra falar no geral. Minha experiencia foi bem diferente da da maioria das meninas. Eu vou dar o meu ponto de vista geral. Pretendo escrever uma especie de relatorio pra Ju (minha orientadora no Brasil) e se naum ficar muito chato eu posto aqui. Gostei muito mesmo do treinamento. As "professoras" dão todos os tipos de dica pra te guiar. Pra mim foi muito util, mesmo ja sabendo dar banho, trocar frauda e etc. Eles ensinam o American Way (o jeito americano) de fazer as coisas. As professoras foram otimas, muito atenciosas e doces. Tirando a Tracy que e muito forçada (naum da aquela mulher, muito serio), mas eu quase naum tive aula com ela. O treinamento é extremamente cansativo, mas elas compreendem.

New York Tour

Sim, é muito rapido. Eu particularmento gosto de ver as coisas pelo lado positivo, e achei muito bom conseguir ir nos principais lugares de Nova Iorque em uma noite. O proposito do tour, segundo o guia (bonitinho) é que a gente saiba quais são os lugares legais e como chegar la. A gente vai num onibus e só desce por pouco tempo em alguns lugares estrategicos, mas é o suficiente pra tirar fotos e ate comprar algumas coisas. O guia que nós pegamos era muito bom porque ele dava otimas dicas.

Se despedindo denovo

O momento mais triste do treinamento foi me despedir das meninas. Gi, Ju, Miriam, Lorena, foi muito bom dividir isso com vcs, espero que vcs estejam bem com as suas familias e I`m going to miss you so bad (foi sentir muito a falta de vcs).

As outras Au Pairs

Como é interessante conhecer as outras meninas de outros paises. As brasieiras tambem, e foi muito legal poder conversar portugues com elas (eramos quatro no Infant Specialized e as outras meninas nos chamavamos de Brazilian Mafia), mas fiz o possivel pra conversar com as outras meninas. Eram todas muito gentis e amigaveis e no final das contas vc vê que todo mundo é igual que as inseguranças e esperanças e medos são os mesmos.

A Host Family e os primeiros dias

Voar pra Califa foi muito cansativo. Gente que chato ficar presa naquela cadeira minuscula. O primeiro avião pra Pensylvania onde eu faria a conexão era tão pequeno que eu, EU não conseguia ficar em pé embaixo do compartimento das malas. No segundo avião, um pouco melhor foram quase cinco horas de ansiedade queimando no peito. Naum tem jeito, naum da pra parar a queimacaum e o coração batendo muito rapido. Sai do avião, fui no banheiro e passei um pouco de batom e pentiei o cabelo pra ficar apresentavel. Fui realista, depois de horas voando e uma semana muito cansativa eu naum esperava estar apresentavel. Fui andando em direção a saida coração disparado, vi um monte de gente do outro lado do portão e avistei minha family. Eles tavam sozinhos, parecendo calmos só olhando. Eu os vi primeiro e todos sorriram. Pra acabar com o meu questionamento de `eles vaum ou naum abracar` a M abriu os braços e me abracou e depois o A fez o mesmo. Eu me senti muito bem estando com eles, o nervosismo acabou.

Nós conversamos um pouco, ficamos em silêncio um pouco, mas tranquilamente. Eu estava (e ainda estou) com a garganta ruim, entaum minha voz ta muito ruim, essa foi minha desculpa pra naum falar muito. Mas essa é a minha personalidade eu sou bem quieta, eu observo mais. Eles tambem são assim, então a gente fica muito em silêncio mas naum é estranho.

Em casa estava a Grammie (vovó) a mãe do A. Ela acabou de ir embora, e é a senhora mais fofa da face da terra. Serio, ela me tratou tão bem, mas tão bem.

O A e a M são uns amores. Isso é novo pra eles tambem então eles estão se ajustando. Mas eles me tratam muito bem e saum muito atenciosos. Então quando a gente chegou eu fui conhecer a Baby C, ela é melhor do que eu imaginei. Ela estava dormindo e como eu estou doente naum quis pega-la, mas que bebe fofo e calmo. Eu ja estou aqui há quase 48 horas e ainda naum ouvi ela chorar alto.

Depois o A me levou pro meu quarto, me mostrou tudo me mostrou o resto da casa por alto, mas eu naum guardei muito na memoria pq estava muito cansada. Eu fiquei um pouco no quarto, depois eu desci, a gente conversou um pouco e eu me senti muito bem embora naum conseguisse falar muito, fiquei um pouco timida. A M deixou eu segurar a Baby C um pouco mesmo eu estando tossindo quem nem uma doida. Mais tarde eu subi pra tomar banho e dormir pq eu estava exausta, o dia foi muito cansativo. Mas quem disse q eu conseguia dormir. Mesmo tendo dias casativos e noites de naum mais de 6 horas de sono mais vôos longos eu naum consegui dormir. Só conseguia pensar em como era surreal estar aqui.

Quando acordei no dia seguinte, naum me senti estranha, desci normalmente pra tomar café. Encontrei a Grammie com o baby, nós conversamos um pouco, eu tomei um pouco de cafe. Eu amo o cafe daqui. Depois nós tomamos cafe da manha na mesa, mingau de aveia, muffin e frutas. Ai o resto do dia foi so observando e ficando com eles, conversando, segurando o bebe. Eles são muito o que eles chamam laid back, eles naum são muito neuroticos então eles naum tem muito horario pra nada. A tarde nós comemos sanduiche no almoco, do lado de fora. E a noite fomos pra um restaurante muito legal na beira do Oceano Pacifico. Foi a primeira vez que eu vi o Oceano Pacifico hehehehehe. O jantar foi maravilhoso mas como estava muito frio e ventando quando eu cheguei em casa eu naum parava de tossir. Eles me deram remedio pra tosse mas naum funcionou muito. Chegamos a mais ou menos nove horas e eu fui dormir direto, tava muito cansada.

Eu podia contar tudo mas estou tentando escrever esse post desde ontem e ainda naum consegui terminar. Então vou parar por aqui. Esses dias tem sido bem tranquilos porque, eles (os hosts) são tranquilos. A maior parte do tempo eu desço e fico com eles olhando o baby e conversando. Hoje passei a maior parte da manhã so segurando a baby C enquanto ela dormia.

Os Presentes

Eu trouxe cafe, feijão, doce, um livro de fotos do Brasil, um cd de Bossa Nova, pra eles dois, mais um par de Havaianas Baby, a camiseta My au pair rocks, um livrinho com palavras em português, um cd de musica pra crianca e lacinhos pra cabeça. Eu so dei hoje (domingo) e eles adoraram.


Dicas

Se conselho fosse bom se vendia naum se dava. E eu ja ouvi de uma pessoa que quando se trata de intercambio a melhor coisa a se fazer é esquecer tudo que as pessoas que ja fizeram intercambio tem pra dizer sobre a experiencia delas, pq a sua experiencia vai ser totalmente diferente. Esse foi provavelmente o melhor conselho que ja me deram. Mas eu gostaria de dar algumas recomendações principalmente pras minhas amigas que estão pra vir pra ca.
1- Relaxem, a maioria das coisas que tiram o nosso sono naum são nada demais. Acreditem tudo vai se arranjar.
2- O travesseiro de pescoço é muito util, principalmente se vc estiver voando de NJ pra Cali sozinha.
3- No treinamento, vire pro lado e pergunte da onde aquela pessoa vem e pra onde ela vai. Ja é o suficiente pra vc fazer um amigo novo.
4- Prestem atenção no treinamento, se vc naum entender o que estão falando perguntem. Eu estive numa situação onde uma americana estava tentando falar portugues comigo e eu vi como é que eles devem se sentir em relação a gente. Se vc naum falar que vc naum esta entendendo eles naum vão saber. E se vc naum estiver entendendo o que as mulheres ensinam no treinamento, ele realmente vai ser muito chato. Elas são bem compreensivas em relação ao ingles ruim das meninas e explicam denovo bem devagar.
5- Naum se preocupem com o seu ingles se ele naum for muito bom. Relaxa que vem. Mas pergunte, pessa pra repetir.
6- Compre um cartão telefonico no wallmart ou no aeroporto. Ele dura bem, da pra dar noticias pra sua familia. Mas tome cuidado com o telefone do hotel, só ligue do seu quarto se vc souber com certeza como usar o cartão. Uma menina acabou com uma conta de 700 dolares no meu quarto.
7- Comprei minha camera em NY, paguei 230 dolares pela camera, mais 10 pelo cartão e 20 de taxa. Paguei taxa caro mas eu queria muito aquela camera e no wallmart em NJ (onde as taxas são mais baratas) naum tinha mais a camera que eu queira. A camera é excelente e por mim eu fico com ela pelo ano todo.
8- Tem wireless no hotel mas vc tem que pagar por ela. E é caro. Infelizmente.

Eu acho que é isso por agora. Esse post já ta bem grande e eu estou tentando escrever ele ha muito tempo. Mesmo naum tendo trabalhado desde que eu cheguei aqui, eu naum tive muito tempo pra nada então, naum respondi e-mails nem scraps e eu sinto muito por isso. Eu juro que vou tentar fazer isso essa semana. E mandar fotos tambem. Eu estou tentando dedicar tempo pra conquistar minha host family. Ja que eu to morando com eles e eles são tão legais comigo eu acho que isso é importante.

Concluindo

Esta sendo melhor do que eu imaginava. Quando estava no hotel me pegava louca achando tudo muito surreal. Naum acreditava que eu estava aqui nos EUA. Mas desde que eu cheguei aqui me sinto taum bem. Eles me tratam taum bem que eu me sinto totalmente confortavel. Alem do mais a casa deles e deslumbrante. Tem bastante arvores em volta (hoje a tarde eu vi um veado pela primeira vez, aqui no quintal comendo as plantas da Marina) e eles quase naum ligam a TV mas eles tem um radio satelite que pega uma radio muito boa e ela ta sempre tocando ao fundo. As musicas saum otimas e eu me pego pensando que esse eh um estilo de vida legal. Acho que eu vou ser muito feliz aqui.

Com amor, Carlinha
Ps.: Alguem sabe como usar o teclado em portugues aqui. Eh horrivel naumter acento.

sábado, 19 de julho de 2008

Pensamentos Pré-Embarque

Depois de várias interrupções consegui chegar aqui pra fazer esse pequeno post que estou tentando fazer a dias.

Queria dizer 3 coisas só:

1º) Mudança de foco - Eu estava triste pensando no meu embarque. Olhava pra tudo e pensava, estou deixando, estou deixando aqui. Depois vi que estou deixando pra ir realizar meu sonho. Isso é a realização da minha vida. Eu quis muito e fiz acontecer. Decidi para de olhar pra coisas que eu olho todos os dias (e que vou voltar a olhar daqui a um ano) e começar a olhar pra frente, pra tudo que eu vou aprender e conhecer e experimentar. Pros amigos que eu vou rever, pras experiencias que eu sempre quis ter. É isso ai. É triste partir, principalmente quando você tem amigos ótimos que sabem fazer você se sentir querida. Mas não estou abandonando ninguém pra sempre, não precisa de drama.

2º) Quer saber como é o sentimento de quem está pra embarcar - Nem é tão ruim assim. Eu achava que deveria ser uma tortura de ansiedade. Que nada. Estive tão ocupada nos últimos dias que simplesmente não tenho tempo pra ficar ansiosa.

3º) Quero agradecer a todos os meus amigos que dedicaram um minuto que fosse do seu tempo pra me desejar boa sorte, me dar conselhos, me dar um abraço de despedida. Todos os conselhos e palavras de apoio foram muito bem vindos. Tento ser a melhor amiga que posso pois valorizo muito, MUITO a amizade. E todos e cada um dos meus amigos foram maravilhosos comigo e me fizeram ver que eu tenho muita coisa boa me esperando aqui quando eu voltar. Muito obrigada mesmo.

É isso, vou partir que eu ainda tenho muiiiito o que fazer. E ainda quero curtir a family hehehehehehehe. Vou tentar vir aqui postar como foi tudo assim que possivel.

Por agora é isso. Amanhã a essa hora vou estar passando no portão de embarque, aahhhhhhh!!!

I'll see you on the other side!!!